Conhecimento do enfermeiro acerca da assistência ao paciente com hanseníase
PDF (Português (Brasil))

Keywords

hanseníase
enfermagem
atenção primária à saúde
qualidade de saúde

How to Cite

Almeida, L. B. C. de B., Vieira, R. da S., Sobrinho, E. F., & Figueiredo, E. R. L. (2024). Conhecimento do enfermeiro acerca da assistência ao paciente com hanseníase. Cuadernos De Educación Y Desarrollo, 16(4), e4071. https://doi.org/10.55905/cuadv16n4-156

Abstract

A Hanseníase é uma doença infectocontagiosa causada pela bactéria Mycobacterium Leprae ou Bacilo de Hansen. O enfermeiro da Equipe Estratégia Saúde da Família (ESF) desempenha o papel de promoção, prevenção e controle da hanseníase, prestando uma assistência adequada e individualizada ao paciente. O objetivo deste estudo é descrever o conhecimento dos enfermeiros da ESF acerca da assistência aos pacientes com Hanseníase. Trata-se de um estudo de campo, transversal, de natureza descritiva, com abordagem quantitativa. Realizado com 14 enfermeiros em sete Unidades Básicas de Saúde no município de Marabá, onde o instrumento utilizado foi um questionário fechado. Com base na coleta de dados, foi possível observar que há necessidade de realização de capacitações e treinamentos anuais no município de Marabá para os profissionais de enfermagem da ESF, para garantir um serviço com maior habilidade e aptidão. Conclui-se que os enfermeiros possuem conhecimentos básicos em relação a hanseníase, visto que a assistência prestada acerca da doença é insuficiente, alcançando um nível moderado.

https://doi.org/10.55905/cuadv16n4-156
PDF (Português (Brasil))

References

ALBANO, M. L. et al. Barreiras à integralidade do cuidado à pessoa com hanseníase: a percepção de enfermeiros. Research, Society and Development, Fortaleza, v. 9, n. 8, p. 18, 2020.

BARRETO, J. A. et al. Hanseníase multibacilar com baciloscopia dos esfregaços negativa: A importância de se avaliar todos os critérios antes de se definir a forma clínica. Hansenologia Internationalis, v. 32, n. 1, p. 75 – 9, 2007.

BIFF, D. et al. Cargas de trabalho de enfermeiros: luzes e sombras na Estratégia Saúde da Família. Ciência & Saúde Coletiva, v. 25, n. 1, p. 147-158, 2019.

BOIGNY, R. N. et al. Persistência da hanseníase em redes de convívio domiciliar: sobreposição de casos e vulnerabilidade em regiões endêmicas no Brasil. Cadernos de Saúde Pública, Bahia e Piauí, v. 35, n. 2, 2019.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria n° 3.125 de 7 de outubro de 2010. Brasília, Diário Oficial da República Federativa do Brasil, 2010.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 2.436, de 21 de setembro de 2017. Aprova a política nacional de atenção básica, estabelecendo a revisão de diretrizes para a organização da atenção básica, no âmbito do sistema único de saúde (SUS). Diário Oficial da União. 22 Set 2017.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos. Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no Nota Técnica 16 (0020845770) SEI 25000.081462/2021-83/ pg. 3SUS. Relatório de Recomendação N. 399. Ampliação do uso da clofazimina para hanseníase paucibacilar. Brasília: Ministério da Saúde, 2018.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Políticas de Saúde. Departamento de Atenção Básica. Guia para o Controle da hanseníase. Brasília: Ministério da Saúde, 2002.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Guia de procedimentos técnicos: baciloscopia em hanseníase / Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Vigilância Epidemiológica. Editora do Ministério da Saúde, Brasília, v. 54 p. il., 2010.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis. Diretrizes para vigilância, atenção e eliminação da Hanseníase como problema de saúde pública: manual técnico-operacional [recurso eletrônico] / Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis, Brasília, v. 58 p. il., 2016.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis. Guia prático sobre a hanseníase [recurso eletrônico] / Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis. – Brasília: Ministério da Saúde, 2017.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Análise de Situação de Saúde. Saúde Brasil 2008: 20 anos de Sistema Único de Saúde (SUS) no Brasil / Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Análise de Situação em Saúde - Brasília: Ministério da Saúde, 2009.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Doenças de Condições Crônicas e Infecções Sexualmente Transmissíveis. Estratégia Nacional para Enfrentamento da Hanseníase 2019-2022/Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Doenças de Condições Crônicas e Infecções Sexualmente Transmissíveis – Brasília: Ministério da Saúde, 2019.

BUDEL, A. R. et al. Perfil dos pacientes acometidos pela hanseníase atendidos no Ambulatório de Dermatologia do Hospital Evangélico de Curitiba. An. Bras. Dermatol, v. 86, n. 5, p. 942-6, 2011.

DE SOUSA, M. S. T.; BRANDÃO, I. R.; PARENTE, J. R. F. A percepção dos enfermeiros sobre Educação Permanente em Saúde no contexto da Estratégia Saúde da Família de Sobral (CE). Revista Interfaces: Saúde, Humanas e Tecnologia, v. 2, n. 7, 2015.

DOS SANTOS, P. N. et al. Detecção da hanseníase e a humanização do cuidado: ações do enfermeiro do programa de saúde da família. Revista eletrônica trimestral de enfermaria, São Gonçalo, RJ, n. 25, p. 116-128, 2012.

FERREIRA, S. R. S.; PÉRICO, L. A. D.; DIAS, V. R. F. G. The complexity of the work of nurses in Primary Health Care. Revista Brasileira de Enfermagem, v. 71, n. 1, p. 704-709, 2018.

FIGUEIREDO, P. V.; HEINEN, R. C. Poliquimioterapia no tratamento da Hanseníase. Revista Saúde Física e Mental, Rio de Janeiro, v. 5, n. 2, p. 56-69, 2018.

GEMELLI, J. M. F. et al. Conhecimento de profissionais da saúde diante da Hanseníase- um estudo transversal. Unoesc & Amp; Ciência – ACBS, Joaçaba, v. 10, n. 1, p. 45-50, 2019.

GOMES, P. M. A importância do profissional enfermeiro na detecção precoce da hanseníase. Monografia do curso de enfermagem da Faculdade de Educação e Meio Ambiente, Roraima, 2016.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Amostra - Características da população. Marabá, 2020.

LAKATOS, E. M.; MARCONI, M. D. A. Fundamentos de metodologia científica: Técnicas de pesquisa. Editora Atlas, São Paulo, ed. 7, 2010.

LEAL, D. R. et al. Programa de Controle da Hanseníase: uma avaliação da implantação no nível distrital. Saúde em Debate, Recife, v. 41, n. especial, p. 209-228, 2017.

LEITE, T. R. C. et al. Ações de controle da hanseníase na atenção primária à saúde: uma revisão integrativa. Vittalle – Revista de Ciências da Saúde, v. 32, n. 3, p. 175-186, 2020.

MACHADO, M. H. et al. Características gerais da enfermagem: o perfil sociodemográfico. Enferm. Foco, v. 7, n. esp., p. 09-14, 2016.

MONTEIRO, L. D. et al. Incapacidades físicas em pessoas acometidas pela hanseníase no período pós-alta da poliquimioterapia em um município no Norte do Brasil. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 29, n. 5, p. 909-920, 2013.

ORENO, C. M. C.; ENDERS, B. C.; SIMPSON; C. A. Avaliação das capacitações de Hanseníase: opinião de médicos e enfermeiros das equipes de saúde da família. Rev. Brasileira de Enfermagem, Brasília, v. 61, n. esp, p. 671-675, 2008.

NETO, F. R. G. X. et al. Características de Enfermeiros da Estratégia Saúde da Família de uma Microrregião da Saúde do Ceará. Enferm. Foco, Sobral, v. 10, n. 5, p. 130-136, 2019.

PAULINO, V. C. P. et al. Ações de educação permanente no contexto da estratégia saúde da família. Rev. enferm, Rio de Janeiro, v. 20, n. 3, p. 321 – 326, 2012.

PERIN, C. B. et al. Reflexões sobre visita domiciliar: Estratégia para o cuidado qualificado e integral de indivíduos e família. Anuário Pesquisa e Extensão Unoesc, Santa Catarina, 2017.

RIBEIRO, M. D. A. et al. A visão do profissional enfermeiro sobre o tratamento da hanseníase na atenção básica. Revista Brasileira em Promoção da Saúde, Fortaleza v. 30, n. 2, p. 221-228, 2017.

RODRIGUES, F. F. et al. Conhecimento e prática dos enfermeiros sobre hanseníase: ações de controle e eliminação. Revista Brasileira de Enfermagem, Ceará, v. 68, n. 2, p. 297-304, 2015.

ROECKER, S.; MARCON, S. S. Educação em saúde na estratégia saúde da família: o significado e a práxis dos enfermeiros. Escola Anna Nery Revista de Enfermagem, Rio de Janeiro, v. 15, n. 4, p. 701-709, 2011.

ROMANHOLO, H. S. B. et al. Vigilância de contatos intradomiciliares de hanseníase: perspectiva do usuário em município hiperendêmico. Revista Brasileira de Enfermagem, Rondônia, v. 71, n. 1, p. 163-169, 2018.

SANTOS, A. R. et al. Educação permanente na estratégia saúde da família: potencialidades e ressignificações. Revista de Enfermagem UFPE Online, v. 14, n. esp., p. 245-355, 2021.

SILVA, C. M. et al. Assistindo o paciente hanseniano na prevenção de incapacidades físicas simples. Monografia (Graduação em Enfermagem) – Universidade de Santa Catarina. Florianópolis, 1996.

SILVA, D. C. P.; SILVEIRA, M. B.; REZENDE, H. H. A. Assistência primária aos portadores de hanseníase em Montes Claros de Goiás. Journal of medicine and Health Promotion, v. 6, p. 180-191, 2021.

SOUSA, G. S.; SILVA, R. L. F.; XAVIER, M. B. Hanseníase e Atenção Primária à Saúde: uma avaliação de estrutura do programa. Saúde em Debate, Rio de Janeiro, v. 41, n. 112, p. 230-242, 2017.

SOUZA, M. F.; VANDERLEI, L. C. M.; FRIAS, P. G. Avaliação da implantação do Programa de Controle da Hanseníase em Camaragibe, Pernambuco. Epidemiol. Ser. Saúde, Brasília, v. 26, n. 4, p. 817- 834, 2017.

VIANA, D. M. et al. A educação permanente em saúde na perspectiva do enfermeiro na estratégia saúde da família. R. Enferm. Cent. O. Min, Minais Gerais, v. 5, n. 2, p. 1658 – 1668, 2015.

TRIBUNAL INTERNACIONAL DE NUREMBERG - 1947. Julgamento de criminosos de guerra perante os Tribunais Militares de Nuremberg. Control Council Law, v. 10, n. 2, p. 181-182, 1949.