A vida na comunidade do Marinho- RESEX do Rio Cajari-AP: a contribuição do estado na transformação e na inércia do modo de vida da população tradicional
PDF (Português (Brasil))

Keywords

reserva extrativista
exploração sustentável
biodiversidade
desigualdade

How to Cite

da Silva Júnior, D. M., Johann, L., Alves, N. F., & de Freitas, E. M. (2023). A vida na comunidade do Marinho- RESEX do Rio Cajari-AP: a contribuição do estado na transformação e na inércia do modo de vida da população tradicional. Cuadernos De Educación Y Desarrollo, 15(9), 8527–8551. https://doi.org/10.55905/cuadv15n9-031

Abstract

As Unidades de Conservação do tipo Reservas Extrativistas (RESEX) são alternativas de proteção e gestão de recursos naturais responsáveis por assegurar a manutenção do modo de vida de seus habitantes, em geral, comunidades tradicionais. Estas, ao desenvolverem atividades baseadas no extrativismo e na agricultura de subsistência, auxiliam na preservação da natureza. A criação da RESEX do Rio Cajari no início da década de 1990 rompeu definitivamente com o sistema de aviamento, adotado direta e indiretamente na região. Como objetivo, o presente estudo buscou avaliar as principais mudanças socioeconômicas decorrentes dessa ruptura, inaugurada pela criação da figura jurídica RESEX do Rio Cajari, bem como visou apontar alternativas econômicas que possam ser adotadas para favorecer o desenvolvimento sustentável da região. A pesquisa foi qualitativa e utilizou, como procedimentos técnicos, o estudo de caso, com levantamento de dados por meio de estudo de campo. Verificou-se que o estado de vulnerabilidade social apresentado na área de estudo decorre do ineficiente sistema de exploração da biodiversidade local e da falta de organização, inclusive pela inexistência de Plano de Manejo da RESEX. Como soluções viáveis, a implantação de agroflorestas de banana (Musa spp.) e açaí (Euterpe oleracea Mart.), e a exploração organizada e planejada da Capara guianensis (Aubl), Copaifera langsdorffii (Desf.), Dalbergia subcymosa Ducke (Fabaceae), Parahancornia fasciculata (Poir.) e Protium heptaphyllum (Aubl.), podem ser implementadas de maneira exitosa na região, diminuindo a vulnerabilidade econômica da Comunidade.

https://doi.org/10.55905/cuadv15n9-031
PDF (Português (Brasil))

References

AMARAL, D. D.; ROCHA, A. E.; PEREIRA, J. L. G.; COSTA NETO, S. V. Identificação dos subtipos de savanas na Amazônia oriental (Pará e Amapá, Brasil) com uma chave dicotômica de individualização. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi – Ciências Naturais, Belém, PA, v. 14, n. 2. p. 183-195, mai.-jun. 2019.

ARMELIN, M. J. C. Identificação e Caracterização de áreas e comunidades com potencial para o desenvolvimento de sistemas comunitários de produção florestal no estado do Amapá. 2001, p. 149. Dissertação (Mestrado em Ciências Florestais) – Universidade de São Paulo, Piracicaba, SP, 2001.

AUBERTIN, C. A ocupação da Amazônia: das drogas do sertão à biodiversidade. In: EMPERAIRE, L. (org.) A floresta em jogo: o extrativismo na Amazônia Central. São Paulo, SP: UNESP, 2000, p. 23-30.

BRASIL. Lei Federal nº 9.985, de 18 de julho de 2000. Regulamenta o art. 225, § 1o, incisos I, II, III e VII da Constituição Federal, institui o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza e dá outras providências. Brasília, DF: Presidência da República, [2007]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9985.htm. Acesso em: 20 out. 2020.

CUNHA, L. H. de O. Reservas extrativistas: uma alternativa de produção e conservação da biodiversidade. São Paulo, SP: NUPAUB-USP, 2001, p. 42.

FILOCREÃO, A. S. M. Agroextrativismo e capitalismo na Amazônia: as transformações recentes no agroextrativismo do Sul do Amapá. 2007, p. 451. Tese (Doutorado em Desenvolvimento Sustentável do Trópico Úmido) - Universidade Federal do Pará, Belém, PA, 2007.

FILOCREÃO, A. S. M. Extrativismo e capitalismo na Amazônia: a manutenção, o funcionamento e a reprodução da economia extrativista do sul do Amapá. Macapá, AP: GEA/SEMA, 2002.

FORMOSO, S. C. Recuperação de áreas degradadas através de sistemas agroflorestais: A experiência do projeto agrofloresta, sustento da vida. 2007, p. 53. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Engenharia Ambiental) - Universidade Estadual Paulista, Rio Claro, SP, 2007.

GARCIA R.F.; YAMAGUCHI, M.H. Óleo de Copaíba e suas propriedades medicinais: revisão bibliográfica. Rev. Saúde Pesq., v. 5, n. 1, p. 137-146, 2012.

GUERRA, S. C. G. O novo Código Florestal Brasileiro e os sistemas agroflorestais: implicações e considerações sobre as áreas de preservação permanente e reservas legais. Vitória, ES: Centro de Desenvolvimento do Agronegócio, 2012.

HOMMA, A. K. O. Cronologia da ocupação e destruição dos castanhais no Sudeste paraense. Belém, PA: Embrapa Amazônia Oriental, 2000, p. 132.

LINS, C. Jari - 70 anos de história. Rio de Janeiro, RJ: Dataforma, 1991, p. 236.

MEDEIROS, R. et al. Contribuição das unidades de conservação brasileiras para a economia nacional: Sumário Executivo. Brasília, DF: UNEP-WCMC, 2011, p. 44.

MEDEIROS, R. Evolução das tipologias e categorias de áreas protegidas no Brasil. Ambiente & Sociedade, Campinas, SP, v. 9, n. 1, 2006.

MORO, J. Fronteiras de sangue – a saga de Chico Mendes. São Paulo, SP: SCRITTA, 1993, p. 439.

NASCIMENTO, D. R.; ALVES, L. N.; SOUZA, M. L. Implantação de sistemas agroflorestais para a recuperação de áreas de preservação permanente em propriedades familiares rurais da região da Transamazônica, Pará. Agricultura familiar: Pesquisa, Formação e Desenvolvimento, Belém, Pará, v. 13, n. 2, 2019.

OLIVEIRA, F. A.; COSTA, C. L. S.; CHAVES, M. H.; ALMEIDA, F. R. C.; CAVALCANTE, I. J. M.; LIMA, A. F.; LIMA JR., R. C. P.; SILVA, R. M.; CAMPOS, A. R.; SANTOS, F. A.; RAO, V. S. N. Attenuation of capsaicininduced acute and visceral nociceptive pain by alpha and beta-amyrin, a triterpene mixture isolated from Protium heptaphyllum resin in mice. Life Science, Derby, Inglaterra, v. 77, p. 2942- 2952, 2005.

PENIDO, C.; COSTA, K.A.; PENNAFORTE, R.J.; COSTA, M.F.S.; PEREIRA, J.F.G.; SIANI, A.C. et al. Anti-allergic effects of natural tetranortriterpenoids isolated from Carapa guianensis Aublet on allergeninduced vascular permeability and hyperalgesia. Inflamm Res. 2005;54(7):295-303.

PENIDO, C.; CONTE, F.P.; CHAGAS, M.S.S.; RODRIGUES, C.A.B.; PEREIRA, J.F.G; HENRIQUES, M.G.M.O. Antiinflammatory effects of natural tetranortriterpenoids isolated from Carapa guianensis Aublet on zymosan-induced arthritis in mice. Inflamm Res. 2006; 55(11):457-64.

PEREIRA, C. M.de S. ASSIS, W. S. de; ARAUJO, C. de S. O manejo da Andiroba e a contribuição para a preservação ambiental: o caso do Grupo de Trabalhadoras Artesanais e Extrativistas (GTAE) do Projeto de Assentamento Agroextrativista Praialta Piranheira (PAE)-PA. IX Congresso Brasileiro de Agroecologia, Belém, Pará, v. 10, n. 3, 2015.

PICANÇO, J. R. A. Desenvolvimento, sustentabilidade e conservação da biodiversidade na Amazônia: a população familiar agroextrativista em áreas protegidas no sul do Amapá. 2009, p. 383. Dissertação (Doutorado em Ciências Sociais) – Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, RN, 2009.

PONTES, W. J. T.; OLIVEIRA, J. C. G.; CÂMARA, C. A, G. LOPES, A. C. H. R.; GONDIM-JÚNIOR, M. G. C.; OLIVEIRA, J. V.; BARROS, R.; SCHWARTZ, M. O. E. Chemical composition and acaricidal activity of the leaf and fruit essential oils of Protium heptaphyllum (Aubl.) Marchand (Burseraceae). Acta Amazônica, Manaus, AM, v. 37, n. 1, p. 103-110, mar. 2007.

QUINTAS, J. de R. O. O Cooperativismo como indutor do processo de desenvolvimento rural: o caso da Cooperativa Mista dos Trabalhadores Agroextrativista do Alto Cajari - COOPERALCA, sediada na Reserva Extrativista do Rio Cajari, sul do Estado do Amapá. 2010, p. 82. Dissertação (Mestrado em Planejamento e Políticas Públicas) – Universidade Estadual do Ceará, Centro de Estudos Sociais Aplicados, Macapá, AP, 2010.

RANGEL, K. S. Modo de vida e território na reserva extrativista do Rio Cajari (Amapá). Tese (Doutorado em Geografia Humana) ‑ Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2017.

RIOS, M.; MARTINS-DA-SILVA, R. C. V.; SABOGAL, C.; MARTINS, J.; SILVA, R. N.; BRITO, R .R.; BRITO, I. M.; BRITO, M. F. C.; SILVA, J .R.; RIBEIRO, R. T. Benefícios das plantas de capoeira para a comunidade Benjamin Constant, Pará, Amazônia Brasileira. Belém: CIFOR, 2001, p. 54.

RÜDIGER, A. L.; SIANI, A. C.; VEIGA-JÚNIOR, V. F. The chemistry and pharmacology of the South America genus Protium Burm.f. (Burseraceae). Pharmacognosy Reviews, Bangalore, Índia, v. 1, n. 1, p. 93-104, 2007.

SHANLEY, P.; MEDINA, G. (Org.). In: Frutíferas e plantas úteis na vida amazônica. Belém: CIFOR/Imazon, 2005, p. 304, p. il.

SILVA, S. S.; FANTINI, A. C.; SHANLEY P. Látex de amapá (Parahancornia fasciculata (Poir) Benoist, Apocynaceae): remédio e renda na floresta e na cidade. Boletim Museu Paraense Emílio Goeldi, Ciências Humanas, Belém, PA, v. 6, n. 2, mai./ago. 2011.

SILVA JÚNIOR, D. M. da; SINDELAR, F.C.W.; JOHANN, L. FREITAS, E. M. Avaliação das condições socioeconômicas da reserva extrativista do Rio Cajari/AP. Revista de Gestão Social e Ambiental, 2023.

SILVA JÚNIOR, D. M. da; GASTMANN, J.; WINHELMANN, M. C.; RODRIGUES, K. F.; BRUXEL, F.; PEREIRA, L. A.; CANTUÁRIA, P. C. & FREITAS, E. M. (2021) .Uso sustentável da biodiversidade do Amapá – alternativas para a Reserva Extrativista do Rio Cajari. In: Rempel, C.; Turatti, L.; Dalmoro, M. (Org.). Desafios da Sustentabilidade. 1. ed. Lajeado: Univates, p. 107-121.

SILVA, E. N.; SANTANA, A. C.; SILVA, I. M., OLIVEIRA, C. M. Aspectos socioeconômicos da produção extrativista de óleos de andiroba e de copaíba na floresta nacional do Tapajós, Estado do Pará. Revista de Ciências Agrárias, Recife, PE, v. 53, n. 1, p. 12-23, 2010.

SILVA, S. M. Sistemas agroflorestais na Amazônia: Fitossociologia, socioeconomia, análise de risco, comercialização e tendência de preços de produtos. 2013, p. 214. Tese (Doutorado em Ciências Florestais) - Universidade Federal de Lavras, Lavras, MG, 2013.

SOUSA, W. P. A dinâmica dos sistemas de produção praticados em uma unidade de conservação de uso direto na Amazônia: a reserva extrativista do rio Cajari no Estado do Amapá. 2006, p. 180. Dissertação (Mestrado em Agriculturas Familiares e Desenvolvimento Sustentável), Universidade Federal do Pará, Belém, PA, 2006.

SUSUNAGA, G.S. (1996). Estudo químico e biológico da resina produzida pela espécie Protium heptaphyllum March. (Burseraceaes). 1996. 163f. Dissertação (Mestrado em Química) – Universidade do Amazonas – Química de produtos naturais, Manaus, AM.

VASUDEVA, N.; VATS, M.; SHARMA, S. K; SARDANA, S. Chemistry and biological activities of the genus Dalbergia. Pharmacognosy Review, Bangalore, Índia, v. 3, n. 6, p. 307-319, 2009.

WWF-BRASIL. Agrofloresta na paisagem amazônica: guia de campo para a implantação de sistemas agroflorestais nos vales dos rios Tarauacá, Envira e Purus. WWF-BRASIL, 2014. E-book. ISBN: 978-85-86440-81-6.