Diabetes e demência: como alguns fármacos para tratar diabetes reduzem o risco de demência
PDF (Português (Brasil))

Keywords

diabetes
demência
fármacos
alterações cognitivas

How to Cite

Santiago, P. R. de S., Carvalho, L. F. C., & Rodrigues, F. de A. A. (2023). Diabetes e demência: como alguns fármacos para tratar diabetes reduzem o risco de demência. Cuadernos De Educación Y Desarrollo, 15(8), 7407–7416. https://doi.org/10.55905/cuadv15n8-032

Abstract

A demência, afetando milhões de pessoas anualmente, está fortemente ligada ao diabetes tipo 2, com mecanismos complexos envolvendo resistência à insulina e desregulação energética. A conexão entre diabetes e disfunção cognitiva é reconhecida, com maior risco de problemas cognitivos em pessoas com diabetes de longa duração. Embora existam evidências clínicas e potenciais benefícios dos fármacos antidiabéticos na redução do risco de demência, são necessárias mais pesquisas para estabelecer conclusões definitivas. Este artigo bibliográfico explora a relação entre diabetes e demência, com foco nos fármacos antidiabéticos e seu potencial de reduzir o risco de demência. O delineamento é qualitativo e exploratório, utilizou-se fontes nacionais e internacionais em português e inglês. O objetivo é fornecer insights sobre essa conexão, com informações atualizadas e relevantes. A relação entre diabetes e demência é complexa, e um controle glicêmico adequado pode reduzir o risco de demência em pacientes diabéticos. A metformina mostra-se promissora, mas mais pesquisas são necessárias para compará-la com outras classes de medicamentos, como sulfonilureias. Inibidores da DPP-4 têm benefícios cognitivos e na prevenção da demência. Estudos sobre insulina intravenosa e intranasal precisam ser mais consistentes. A duração e gravidade do diabetes influenciam seus efeitos cognitivos, e hipoglicemia severa está associada a maior risco de demência. Tratamentos visando a sensibilidade à insulina, como agonistas do receptor PPARγ e GLP-1, mostram benefícios cognitivos preliminares. O controle glicêmico e resistência à insulina são fundamentais para reduzir o risco de demência e preservar a função cognitiva. O tratamento personalizado e consideração dos fatores individuais são essenciais para um melhor manejo da diabetes e demência.

https://doi.org/10.55905/cuadv15n8-032
PDF (Português (Brasil))

References

AMARAL, Lara Medeiros et al. Associação entre o controle glicêmico em pacientes diabéticos e a redução no risco de demência: uma revisão de literatura. Brazilian Journal of Health Review, v. 3, n. 3, p. 6252-6259, 2020. Disponível em: https://ojs.brazilianjournals.com.br/ojs/index.php/BJHR/article/view/11559. Acesso em: 22 jun. 2023.

MCMILLAN, Jacqueline M.x et al. Impact of pharmacological treatment of diabetes mellitus on dementia risk: systematic review and meta-analysis. BMJ Open Diabetes Research and Care, v. 6, n. 1, p. e000563, 2018. Disponível em: https://drc.bmj.com/content/6/1/e000563. Acesso em: 22 jun. 2023.

TANG, Xin et al. Use of oral diabetes medications and the risk of incident dementia in US veterans aged ≥60 years with type 2 diabetes. BMJ Open Diabetes Research and Care, v. 10, n. 5, p. e002894, 2022. Disponível em: https://drc.bmj.com/content/10/5/e002894. Acesso em: 22 jun. 2023.

WILLMANN, Caroline et al. Insulin sensitivity predicts cognitive decline in individuals with prediabetes. BMJ Open Diabetes Research and Care, v. 8, n. 2, p. e001741, 2020. Disponível em: https://drc.bmj.com/content/8/2/e001741. Acesso em: 22 jun. 2023.